Elite mantém riqueza por séculos porque ‘merece’? Cientista causa polêmica ao dizer que sim

Elite mantém riqueza por séculos porque ‘merece’? Cientista causa polêmica ao dizer que sim

Estudos realizados em diferentes países têm mostrado que as famílias ricas permanecem no topo da pirâmide social por séculos. Um economista britânico, porém, tem uma teoria polêmica para explicar isso: para ele, esses grupos talvez “mereçam” estar ali.

Gregory Clark e o colega Neil Cummins demonstraram, por meio de uma investigação de sobrenomes, que o status de uma família pode se manter por mais de oito séculos na Inglaterra.

E isso se reflete em vários setores da sociedade: a mesma elite se manteve nos postos governamentais mais altos, nas universidades mais prestigiadas e nas diretorias de grandes empresas, fenômeno também verificado em países como Suécia, Estados Unidos, Índia, Taiwan, Japão, Coreia e Chile (único país da América Latina a ser estudado).

“Até na China encontramos os mesmos sobrenomes na elite por muitas gerações, mesmo após a revolução comunista de Mao Tsé-tung”, afirmou Clark à BBC Brasil.

Agora, diz o economista, o desafio é explicar como essas famílias permanecem tanto tempo nessa posição – e é aí que suas conclusões, embora preliminares, provocam controvérsia.

“Queremos saber até onde esse padrão é explicado pelas conexões sociais e até onde se explica pela transmissão genética de habilidades nas famílias”, diz.

Segundo ele, os primeiros resultados apontariam para a ideia de que famílias bem-sucedidas transmitem algumas características – como ambição, motivação e talentos sociais – para as gerações seguintes, o que permitiria a elas continuar em posições de poder e privilégio.

Ou seja: Clark defende que essas dinastias teriam uma “competência social” que vem de berço, o que provaria que elas merecem estar lá.

‘Determinismo genético’

As afirmações do especialista causam polêmica entre acadêmicos e analistas.

Um exemplo é um artigo publicado em maio pelos economistas Guglielmo Barone e Sauro Mocetti, do Banco da Itália.

Em uma pesquisa semelhante, mas desta vez comparando as listas de pagadores de impostos de Florença em 1427 e em 2011, eles chegaram a uma conclusão semelhante à de Clark: os sobrenomes das famílias mais abastadas da região cerca de 600 anos atrás coincidem com os dos grupos mais ricos nos dias atuais.

Isso significa que essas dinastias foram capazes de manter sua riqueza durante os diversos cercos à cidade, a campanha do imperador francês Napoleão na Itália, o regime fascista de Benito Mussolini e duas guerras mundiais.

Mas a concordância termina aí: o que o britânico vê como possível sinal de meritocracia, os italianos chamam de “injustiça e ineficiência da sociedade”, que “desperdiça os talentos das pessoas que vêm de contextos menos privilegiados”.

Outra crítica à teoria da “competência herdada” vem da revista britânica The Economist – que vê, a exemplo dos economistas que estudaram Florença, um sistema de privilégios que trabalha a favor dos ricos.

Para a publicação, o trabalho de Clark “sugere que os negros pobres permanecem assim porque descendem de pessoas com competência social menor”.

“Pode não ser um livro racista, mas transita pelo determinismo genético”, conclui.

Questionado pela BBC Brasil, o britânico admite que sua teoria poderia dar margem a argumentos racistas e de segregação social.

“Claro que poderia. Mas eu estudo a mobilidade social para tentar entender quais são as forças na base da nossa sociedade. Não serei um bom estudante se só quiser buscar explicações que me façam sentir melhor sobre o mundo”, diz.

“Não estou dizendo que racismo não existe e que não pode influenciar a mobilidade social dos negros. Mas dentro dos grupos de elite que estudamos, a manutenção do status parece ter uma explicação genética.”

Mudança lenta

A análise do britânico revela que migrar de uma classe social para outra pode levar muito tempo – as famílias que compõem o topo costumam ficar ali por cerca de 15 gerações, e até mais do que isso.

“A mobilidade social acontece e as famílias de elite tendem a se aproximar do centro da pirâmide social, sendo substituídas por outras no topo. Mas isso é bem mais lento do que se pensava, leva cerca de 300 a 500 anos”, disse à BBC Brasil.

Um dos estudos de Clark e Cummins analisou o status social de sobrenomes únicos da elite inglesa – como Baskerville, Darcy e Neville – entre os anos de 1170 e 2012. Para isso, monitorou a presença deles nas universidades de Oxford e Cambridge ao longo do tempo.

“Para entrar nessas universidades, era preciso ter frequentado escolas preparatórias especiais, falar latim e preencher muitos requisitos. Hoje, pessoas de qualquer escola do país poderiam entrar, já que elas fazem uma prova padrão”, explica o economista.

“Mesmo assim, notamos que esses sobrenomes permanecem lá. A mudança não foi tão grande.”

Clark afirma que o status dos clãs se mantém mais fortemente até do que alguns traços físicos, como a altura. E mais: a linhagem familiar poderia determinar até 50% da renda ou do nível educacional de uma pessoa.

“Um filho de pais ricos pode acabar não indo para a faculdade, por exemplo, e tendo uma queda de padrão. Mas os filhos dele tendem a ter mais sucesso do que os de pessoas normais que não tiveram educação superior. É como se a família sempre se recuperasse”, afirma.

Papel da desigualdade

Entre Chile e Suécia, qual país permite maior mobilidade social?

A maior parte das pessoas hoje responderia Suécia, diz Clark – trata-se de um país com mais igualdade de oportunidades.

Mas, ao analisar os sobrenomes dos ricos dos dois países, o economista também percebeu que as migrações de classes sociais são igualmente lentas em ambos.

“Os descendentes da aristocracia sueca dos anos 1800 ainda são elite, apesar de todo o país ter acesso a educação gratuita e de qualidade. A mobilidade social hoje lá não é mais alta do que no Chile, que é uma sociedade muito mais desigual”, afirma.

Em países latino-americanos, explica o economista, fica muito claro que a mobilidade social é lenta: a recompensa pelo trabalho é diferente se você está no topo ou na base do sistema. E diferentemente da Suécia, os ricos têm quase todas as oportunidades; os pobres, quase nenhuma.

Por causa disso, Clark sugere que os governos devem se preocupar com reduzir a desigualdade – dando mais acesso à educação e reduzindo a disparidade entre salários de profissões diferentes.

Ele questiona, por exemplo, o fato de profissões de elite terem salários tão mais altos do que o trabalho braçal. “Se os ricos ficam no topo porque herdaram habilidades de seus pais, não é justo que eles sejam mais recompensados por isso”, afirma.

“O resumo é: mesmo que seja igualmente difícil mudar de classe social no Chile e na Suécia, ainda é melhor ser pobre na Suécia, onde a diferença de renda entre os mais pobres e os mais ricos é menor.”

Fonte: UOL

Nenhum Comentário »

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment