Como o seu humor pela manhã afeta todo o seu dia de trabalho

Como o seu humor pela manhã afeta todo o seu dia de trabalho

Alguma vez você já pensou o que acontece com os funcionários logo antes deles chegarem ao trabalho? Em alguns casos, eles dormiram muito mal, de mal-jeito ou insônia. Em outros, eles até acordaram bem, mas algo ruim aconteceu logo cedo. Não ignore esses fatores. São detalhes que fazem sim diferença a medida que o humor das pessoas pela manhã irá influenciar a performance delas em todo o dia de trabalho. Quem constata isso é Steffanie Wilk, professora associada da Fisher College of Business, da Ohio State University, que publicou os resultados principais de seu estudo na Harvard Business Review.

No estudo “Waking Up On The Right Or Wrong Side Of The Bed: Start-Of-Workday Mood, Work Events, Employee Affect, And Performance”, Wilk e seu time analisaram o serviço de atendimento ao cliente do call center de uma companhia da área de seguros durante algumas semanas. “Nós estudamos o humor deles assim que começavam o dia, como encaravam os eventos do trabalho, como interagiam com os clientes ao longo do dia – e como o humor ficava após essas interações. Utilizamos detalhes de métricas de performance da própria empresa para investigar como o humor deles estava relacionado com o desempenho de cada um.

O serviço de atendimento oferecido por eles variava ao longo do dia. Quem começava o trabalho feliz ou calmo normalmente mantinha esse humor e a interação com os clientes tendia a aumentar ainda mais o humor. Por outro lado, as pessoas que começavam o dia estressadas, com um humor ruim, não superavam isso e iam se sentindo pior a medida que as horas passavam – mesmo após interações positivas com clientes.

Uma descoberta e contraintuitiva do estudo foi algo que os pesquisadores chamavam de “a miséria adora a empresa”. Alguns funcionários que se sentiam mal quando começavam o dia sentiam-se um pouco melhores depois de interagir com os clientes que estavam também de mau humor. Talvez porque, ao tomar perspectivas de seus clientes, estes funcionários percebiam que suas próprias vidas ou problemas não eram assim tão terríveis.

O estudo também descobriu que boas performances vêm com qualidade no trabalho e produtividade. Funcionários que estão de bom humor fazem um trabalho de maior qualidade: eles estão mais dispostos, utilizam um melhor tom e vocabulário ao conversar com os clientes. Funcionários que estão de mau humor tendem a fazer intervalos maiores de trabalho para lidar com o estresse. Essas pequenas pausas levam a uma perda de 10% na produtividade geral, constatou o estudo.

Mas como os líderes podem ajudar funcionários a lidar com o estresse e melhorar a performance deles? O artigo indica alguns caminhos. Um deles é nunca esquecer de celebrar as conquistas – e alimentar as pessoas com isso é sempre um bom motivador. Os empregadores também poderiam permitir que seus funcionários tenham um pequeno espaço para fazer algo que desejam pela amanhã – seja conversar com outros colegas, resolver alguma questão rápida. As pessoas também precisam de tempo para se recuperar da noite anterior – então os gerentes poderiam pensar duas vezes antes de enviar uma mensagem no final da noite anterior ou alguma mensagem que leve os funcionários a terem um mau começo no dia seguinte, sugere o artigo. Do mesmo modo que se um funcionário chega alguns minutos atrasado, confrontá-lo de imediato – ao invés de optar por uma conversa mais produtiva posteriormente – pode derrubar a produtividade dele ao longo do dia.

Do lado dos funcionários, a dica é ver o que é possível fazer para evitar que a negatividade tome conte de você assim que você chega ao trabalho. Faça uma “transição intelectual”, não deixando que algum problema ou questão de fato paute o modo como você vai lidar com seu dia. Uma dica para isso é tentar alterar o caminho que você faz para o trabalho, ter uma conversa estimulante com alguém (sem ficar só reclamando), parar para um café em um lugar diferente, escutar uma música inspiradora.

Fonte: Época Negócios

Nenhum Comentário »

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment