O que fazer com as emoções negativas

O que fazer com as emoções negativas

Aceitar o que você está sentindo faz parte de aceitar o momento presente

Às vezes, resolvemos que vamos ser “super positivos” e, a partir daí, começamos a reprimir tudo o que julgamos não ser “positivo”. Ou resolvemos ser “tranquilos” e excluímos da nossa vida toda a agressividade ou impaciência, ou o que julgamos não ser “tranquilo”. E assim por diante.

Acontece que, sempre que reprimimos uma emoção, ela não deixa de existir! Ela continua vivinha da silva, só que escondida dentro da gente.

Ao negarmos nossas emoções, estamos rejeitando o momento presente, e o momento presente é sempre perfeito (inclusive as partes dele que a gente “julga” não serem perfeitas!).

Aceitar o que você está sentindo faz parte de aceitar o momento presente. De estar em paz com você mesmo e com o universo.

Ao mesmo tempo, quando eu digo que você precisa acolher e aceitar a sua emoção, cuidado!, não estou dizendo que você precisa se identificar com ela!

Por exemplo, se você está sentindo raiva, você pode observar essa raiva, aceitar que a está sentindo, e até se permitir socar uma almofada, mas você não precisa se tornar uma pessoa raivosa e agressiva.

Entende a diferença?

E por quê é importante se permitir sentir as suas emoções todas, sem exceção?

Porque toda vez que a gente coloca uma emoção pra baixo do tapete, a gente começa a projetar essa mesma emoção em outras pessoas, situações e circunstâncias na nossa vida.

Ou seja, a gente passa a criar uma realidade pra gente que inclui essa emoção que a gente tentou excluir à força do nosso mundo. Porque nada pode ser excluído!

No meu exemplo acima, se você reprime a sua raiva, provavelmente você vai encontrar mais pessoas ou situações que te irritam, ou vai interagir com pessoas agressivas com você (muitas vezes sem nenhum motivo aparente!).

E como fazer pra parar esse processo de repressão e projeção, como parar de atrair pra sua vida exatamente aquilo que você não quer?

Fonte: administradores

Nenhum Comentário »

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment