O Futuro dos Laboratórios Clínicos e o Laboratório do Futuro

O Futuro dos Laboratórios Clínicos e o Laboratório do Futuro

A utilização dos sistemas automatizados garante a produção de grande quantidade de exames em plataformas produtivas especializadas. Esse é o modelo utilizado pelo Grupo Hermes Pardini em Vespasiano/MG, que emprega a automação laboratorial total e produz, com segurança, mais de 7 milhões de exames por mês. Essa iniciativa garante a qualidade dos resultados e reduz os riscos associados às etapas manuais de produção, além de otimizar os custos. Já os Testes Laboratoriais Remotos são verdadeiros laboratórios portáteis, muitas vezes com conexões wi-fi ou bluetooth para transmissão de resultados para aplicativos de celulares. São utilizados na realização de exames de urgência em pacientes graves restritos ao leito ou naqueles com doenças crônicas e que precisam de acompanhamento constante.

Apesar das discussões recentes, acreditamos que os testes laboratoriais remotos não são ameaça aos laboratórios convencionais. Pelo contrário, essas tecnologias podem ser usadas de forma integrada. Os exames de rotina e os menus especializados poderão ser feitos em grandes laboratórios automatizados enquanto testes de necessidade mais frequente ou urgentes poderão ser feitos na beira do leito ou na casa dos pacientes. De toda forma, os resultados devem ser integrados, e avaliados conjuntamente através de sistemas inteligentes que ganham cada vez mais importância à medida que crescem os números de exames e dados a serem avaliados para se tomar uma decisão clínica.

Diante disso, percebe-se que Medicina Laboratorial é uma especialidade em evolução, que tem incorporado diversas inovações tecnológicas para facilitar a vida dos médicos na tarefa de diagnosticar e tratar seus pacientes. Novas tecnologias e exames são incorporados à rotina laboratorial, individualizando os tratamentos e ajudando a racionalizar o uso dos recursos nos cuidados com a saúde da população.

Fonte: strategyconsultoria

Nenhum Comentário »

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment