Todos buscam de alguma forma estar bem com a saúde, seja através de alimentação, exercícios físicos ou até em horas de sono bem aproveitadas. Nas empresas, a preocupação é a mesma com uma grande diferença: pensar isso de forma coletiva, incluindo todos os colaboradores. Há diversas maneiras de investir direta ou indiretamente no bem coletivo, seja reservando um espaço para a prática de exercícios no trabalho, oferecendo voucher para usar com terapia e outros tipos de auxílios.

Analisar saúde de forma coletiva é a grande chave para o sucesso de uma empresa. Enquanto muitos ainda buscam a qualidade de vida individual, grandes empresários pensam na maneira de como fazer com que os colaboradores produzam mais com mais qualidade de vida. Grandes empresas como Pirelli, Grupo Pão-de-Açúcar e Petrobras estão aplicando o conceito de Gestão de Saúde Populacional (GSP). Essa é uma proposta de mudança na forma de tratar a saúde coletiva: à oferta de assistência médica somam-se também a implementação de metodologias abrangentes para a estratificação de riscos e coleta sistematizada de dados.

Estudos internacionais mostram que, se aplicada de forma efetiva, a GSP pode resultar em reduções de 30% a 50% dos custos essenciais. Além de enxugar gastos (plano de saúde é o segundo maior gasto do RH das empresas), as instituições também direcionam seus programas de forma mais assertiva e com benefícios a longo prazo – extrapolando a gestão de casos crônicos e a análise de casos isolados.

É uma conta de fácil entendimento: quanto mais o colaborador se sente estimulado a levar uma vida saudável, mais ele terá vigor e consequentemente se mostrará mais produtivo. Seguindo na mesma linha, se o familiar deste colaborador adotar hábitos mais saudáveis, menos afastamentos de funcionários que precisam acompanhar parentes por problemas de saúde no hospital as empresas terão. Todos saem ganhando, inclusive o próprio hospital, que diminuirá sua superlotação.

Como investir na saúde do colaborador na prática

E como o conceito de GSP pode ser colocado em prática? A GSP é uma iniciativa que visa transformar o velho modelo reativo, que aguarda surgir a doença, em um proativo, que mapeia as populações de risco, faz predições e previsões e age evitando as enfermidades e ou minimizando seus impactos.

“A resposta está no campo da educação, promoção de saúde e de melhores hábitos de vida, prevenção de doenças e autocuidado. Precisamos nos preocupar mais com nossa saúde, para conseguirmos gastar menos tempo com nossas doenças. E esse é o ponto: mais saúde, menos doenças”, ressalta Ricardo Ramos, presidente da Aliança para a Saúde Populacional.

A seguir, confira alguns pontos que vão ajudar a aplicar o conceito da GSP na prática:

  1. Cultura da saúde dentro das corporações;
  2. Engajamento de todos os envolvidos;
  3. Políticas de saúde implantadas;
  4. Realização de comitês de saúde periodicamente com gestores envolvidos no projeto- CEO – CFO – Gerente de Saúde – Médico – Marketing;
  5. Mapeamento de perfil de risco da população;
  6. Definição de indicadores relacionados aos projetos implantados , baseado em resultados de saúde e financeiros;
  7. Implantar programas de educação continuada em saúde;
  8. Visão sobre inovação e tecnologia a serviço do benefício em saúde;
  9. Comunicação, distribuição de conhecimento pelas mídias sociais e todos os meios de comunicação, com material referenciado em saúde;
  10. Conhecimento do mercado de saúde, quais acessos disponíveis no mercado, indicadores populacionais atualizados e legislação.

Fonte: administradores.com.br

Nenhum Comentário »

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment